8 de abril de 2009

A Saga de Uma Borboleta

A Saga de Uma Borboleta

"Aquele que sabe o que quer já percorreu um longo caminho para alcançá-lo”. Harold Sherman


Quem já pensou nas borboletas como seres educacionais?! Com certeza, muitos. Contudo, eu, até esse momento, não.

É lógico que já tinha ouvido histórias sobre; já tinha lido textos que tratavam sobre elas, mas nunca me deparei com a educação que elas nos trazem.

Antes de elas serem lindas, suntuosas, graciosas, elas são nojentas, desengonçadas, feias. Em seus estados de larvas, elas precisam se alimentar (pode comer muito para manter sua vida e garantir sua metamorfose) e sobreviver (ela pode soltar uma secreção que, em nós, humanos, nos irrita a pele).

São tantas lutas, tantos sonhos; começamos assim, lagartas, larvas, que desengonçadas, estão procurando comida, casa, emprego… iniciando sua vida. Depois, vem o casulo. Elas, as tais sem jeito, procuram, então um lugar calmo para se hospedar. Um lugar onde elas poderão crescer sem muitas preocupações.

Ah! Nossos quartos, casas, pensamentos, orações, sonhos, vontades, esperança!


Daí, a parte mais esperada: o momento de saída. A expectativa da nova vida, de um novo lar, de um novo lugar. De poder voar e voar alto. Entretanto, para as novas serem boas, elas precisam passar por mais tensão.

Para sair do casulo, a borboleta força-se numa saída muito minúscula. Ela se debate, faz força e pára. Minutos depois, volta à lida. E são mais alguns empurrões, e furos, e força. E depois de tanta crise, de tanto choro, de tanto apanhar, de tanto sofrer, sai aquela Majestosa Borboleta, com suas Asas Imponentes. Um pouco cansada, talvez, mas decidida.


Se aquele inseto tão pequeno precisou passar por um momento de crise para poder se erguer majestosamente, imagine nós, humanidade, Coroa da Criação?! Alguém, por acaso, consegue lembrar de “no mundo tereis aflições, mas Eu venci o mundo”?! Eu também!


Nossa vida pode ser como a de uma Borboleta, cheia de perigos, antes e depois da metamorfose, mas precisamos passar por todos eles (perigos, barreiras, crises, decepções, tristezas) para sair com a cabeça erguida!

É doloroso passar por crises sim; sem dúvida. Porém, se não passarmos, não voaríamos; ou porquê você acha que a Borboleta consegue voar?! A força que ela teve que fazer foi essencial para que a asa se tornasse forte para o vôo.
Sua asa está forte ou ainda precisa passar por algo mais?!

A larva sabia onde precisaria chegar, por isso ela precisou SE TRANSFORMAR!

Enfim, persiste em ler, exortar e ensinar.. I Tim 4:13

Phill A. D. Banks

.............. Momento de Inspiração ............

O C é u É o J a r d i m

Numa flor, ela vê seu futuro, seu sustento e lembra, quase como de súbito, seus momentos de horror. Momento que já passou. Lembra-se que sobreviveu sem voar, sem esse luxo.

Na pétala de uma rosa, ela pára e chora. Chora de alegria, de vontade de sonhar mais.Chora porque reconhece seu passado, mas ama o futuro. Ela volta para os ventos que a levam, não só na imaginação, mas da lembrança daquele momento.

E no ar contempla, do mais alto, o que foi, um dia, o seu poço, o seu casulo. Lá de cima parece tão lindo. Lá embaixo, no entanto, tão frio.

Percebe que agora não tem mais volta. Seu lugar é lá, perto das estrelas, gigantes, brilhantes, conduzida pela imaginação de voar mais alto, mais alto, mais alto. Seu lugar agora é aqui! Onde? Neste Jardim.
Phill Davi

3 comentários:

Enoque Verli disse...

Que linda poesia!
Fantástica!
Parabéns pelo post. Muito me ensinou e muito me reavivou.

Abrs.

Jesyk disse...

show!!Também, tem aquem puxar kaosas( zoa ).Entendii a mensagem que vc quis passar,vou colocar em prática seu chaato.

Negra Mel disse...

Phill, NegÔ Filosofo legal...huahu lindo nos faz refletir, pensar...q depois de uma batalha ardoa vem enfim,a recompenssa nossa Muito Massa, ADOREI =D